Vencendo nossos pecados

por Rene P. Brown

Todo cristão é atacado por pecados em algum momento ou outro. Alguns são mais do que outros, mas todos os Cristãos têm dificuldade com algum tipo de pecado de tempo em tempo. Alguns têm um pecado específico que faz tanta parte de suas vidas que os fazem se sentir derrotados pelo fato de não conseguirem superar este pecado. Outros não sofrem com pecados repetitivos, mas têm áreas na vida deles que de vez em quando os incomodam e a vitória sobre estas é difícil. Eles odeiam o pecado, mas a vitória está sempre além de seu alcance. Quanto mais eles tentam superar este pecado, mais eles se envolvem no pecado. Quanto mais determinação eles expressam, mais derrota eles experimentam.


Esta é a situação de vários cristãos. Eles odeiam o pecado e se odeiam porque não conseguem vencê-lo. Eles sabem que crentes (aqueles nascidos de novo em Cristo) não devem se envolver com pecados, mas eles não conseguem evitar. Parece que o pecado sempre vence e quanto mais eles tentam, quanto mais eles estão determinados a vencer o pecado, mais o pecado invade suas vidas.

Qual é o problema aqui? Parte da resposta pode ser encontrada na carta de Paulo aos Romanos (Rom 7:5) “Pois, quando estávamos na carne, as paixões dos pecados, suscitadas pela lei, operavam em nossos membros para darem fruto para a morte.” (Rom 7:8) “Mas o pecado, tomando ocasião, pelo mandamento operou em mim toda espécie de concupiscência; porquanto onde não há lei está morto o pecado.

Como isto pode ser possível? Poderia ser que a Lei (regras, padrões, etc.) seja na verdade a causa do problema ao invés da solução? Parece ser tão inequívoco que se estudarmos cuidadosamente o que Deus quer que façamos, e se fizermos listas para podermos nos lembrar de todas estas coisas, isto vai nos dar vitória sobre o pecado! Mas é óbvio que este método não está funcionando! Milhares de cristãos poderão nos dizer que isto não está funcionando. Se falarmos com qualquer cristão, vamos descobrir que quanto mais ele tenta cumprir as leis de Deus, mais ele falhou. Na verdade, a falha parece ser em proporção com o esforço para não pecar! A vitória sempre está além do alcance.

(Agora eu gostaria de inserir uma idéia: Bem lá dentro, no coração dos crentes verdadeiros, ou seja, aqueles que realmente estão em Cristo, estes odeiam o pecado. E quando eles pecam, eles odeiam o pecado, mesmo que se encontrem repetindo o mesmo pecado freqüentemente. Se isto não for o caso, ou seja, se alguém não pode dizer que realmente bem lá dentro odeiam o pecado, mas o apreciam sem nenhum tipo de ódio pelo pecado, e sem nenhuma convicção do Espírito Santo do pecado cometido – esta pessoa precisa questionar seriamente se ele ou ela é realmente nascido de novo. Em outras palavras, eles realmente estão em Cristo? Ou como alguns diriam: Eles realmente são salvos? É duvidoso que alguém seja nascido de novo e goste do pecado sem nenhuma convicção vindo à eles do Espírito Santo. Se eles não podem dizer que bem lá dentro, eles odeiam o pecado, eles deveriam questionar seriamente se eles realmente pertencem à Jesus.)

Tentar evitar o pecado através do guardar a lei de Deus pode funcionar por algum tempo. Se nos concentramos na lei do que sabemos que Deus exige de nós, poderemos cumpri-la por um tempo. Mas assim que relaxarmos ou assim que tivermos que lidar com algum outro pecado em nossa vida, o pecado volta, talvez, mais forte do que nunca. Por exemplo, se você resolver orar todos os dias por um certo tempo, você talvez descubra que você vai conseguir fazer isto por um tempo, mas mais cedo ou mais tarde, você irá falhar. Ou se você adicionar alguma outra regra para cumprir, e se concentrar nesta nova, você talvez esqueça de orar como prometeu! Milhares de cristãos em todo o mundo experimentam estes mesmos resultados. Mesmo experimentando às vezes algum tipo de sucesso, parece que sua vida começa a secar e você se torna como um graveto seco.
(2 Cor 3:6) “o qual também nos capacitou para sermos ministros dum novo pacto, não da letra, mas do espírito; porque a letra mata, mas o espírito vivifica.” Seguir a letra ou tentar fazer algo na base do “deve ser assim” mata. Nunca irá trazer vida.

Onde está a vida abundante que Jesus prometeu? Onde está o gozo contínuo que devemos experimentar em Cristo? Você nunca irá alcançar estas coisas guardando regras e leis.

Primeiro, nós precisamos entender que a Lei, qualquer lei (regra ou padrão), irá somente instigar o pecado. Paulo deixa isto bem claro se estudarmos Romanos capítulo 7 cuidadosamente. Leia os versículos anteriores e também os seguintes (Rom 7: 15,19) “15Pois o que faço, não o entendo; porque o que quero, isso não pratico; mas o que aborreço, isso faço...19Pois não faço o bem que quero, mas o mal que não quero, esse pratico.”

É verdade que a vida de Paulo nela mesmo não deve ser o nosso padrão, mas as suas palavras na Bíblia vieram até nós pelo Espírito Santo de Deus e é seguro olharmos para o seu sucesso no viver a vida Cristã. Se ele tinha problemas fazendo algo de um certo modo, nós provavelmente teremos os mesmos tipos de problemas. Ou seja, iremos provavelmente terminar com o mesmo resultado que ele teve. E está bem claro que Paulo lutava com o pecado e a um ponto que ele não conseguiu vencê-lo trabalhando no problema.

Quando acompanhamos os pensamentos de Paulo em Romanos no capítulo 7 até o final, parece não haver esperança. Este homem não estava fazendo aquelas coisas que eles sabia que deveria estar fazendo, e estava fazendo aquilo que ele sabia que não deveria fazer. É exatamente este o lugar que milhares de Cristãos se encontram todos os dias – e eles detestam estar nesta situação. Vários cristãos dedicados que amam Jesus e desejam servi-lo se sentem derrotados e não aproveitam a vida abundante que Ele prometeu.

Agora chegamos na vitória: Paulo nos diz em Romanos 8:1-2 “1Portanto, agora nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus. 2Porque a lei do Espírito da vida, em Cristo Jesus, te livrou da lei do pecado e da morte.” Isto é uma notícia maravilhosa!! Não somos condenados por Deus, e portanto, não devemos nos condenar. Não há nenhuma condenação mesmo quando pecamos. Nenhuma! Eu vou repetir; Nenhuma!! Não há condenação!! Isto é uma notícia tremenda!

Daí Paulo nos conta por quê isto é verdade: Não estamos mais debaixo da Lei porque a Bíblia nos ensina que estamos mortos para a velha lei. Agora Paulo nos diz que existe uma nova lei em vigor, chamada de: A lei do Espírito da Vida em Cristo Jesus. Esta nova lei me libertou do pecado e da morte. A nova lei prevalece sobre a velha! Esta é uma notícia tremenda!
Agora que sabemos desta nova lei, o que é ela? O que ela significa? Eu gosto dela; Eu creio nela e a recebo – mas o que é ela e como devo lidar com ela ou o que fazer com ela?

A resposta simples é esta: Jesus cumpriu a Lei por mim. Em segundo lugar, quando Ele morreu na cruz, a minha velha natureza pecaminosa que herdei de Adão o meu antepassado, morreu com Ele. E quando Ele ressuscitou da tumba, eu ressuscitei com Ele como um novo homem. Este novo homem tem a natureza de Cristo; o novo homem (eu) tem uma vida divina! E o novo homem tem um novo coração e Deus escreveu a Sua lei de amor neste novo coração.

Primeiro, vamos ver que realmente morremos com Jesus e que morremos para a lei e para o pecado. Vamos ler alguns versículos:
(Rom 7:4) “Assim também vós, meus irmãos, fostes mortos quanto à lei mediante o corpo de Cristo, para pertencerdes a outro, àquele que ressurgiu dentre os mortos a fim de que demos fruto para Deus.
(Rom 7:6) “Mas agora fomos libertos da lei, havendo morrido para aquilo em que estávamos retidos, para servirmos em novidade de espírito, e não na velhice da letra.
(Rom 6:2) “De modo nenhum. Nós, que já morremos para o pecado, como viveremos ainda nele?
(Rom 6:7-8) “7Pois quem está morto está justificado do pecado. 8Ora, se já morremos com Cristo, cremos que também com ele viveremos,
(2 Cor 5:14) “Pois o amor de Cristo nos constrange, porque julgamos assim: se um morreu por todos, logo todos morreram.”
(Gál 2:19-20) “19Pois eu pela lei morri para a lei, a fim de viver para Deus. 20Já estou crucificado com Cristo; e vivo, não mais eu, mas Cristo vive em mim; e a vida que agora vivo na carne, vivo-a na fé no filho de Deus, o qual me amou, e se entregou a si mesmo por mim.
(Col 2:20-21) “20Se morrestes com Cristo quanto aos rudimentos do mundo, por que vos sujeitais ainda a ordenanças, como se vivêsseis no mundo, 21tais como: não toques, não proves, não manuseies
(Col 3:3) “porque morrestes, e a vossa vida está escondida com Cristo em Deus.”

De todas estas passagens, fica bem claro que Jesus morreu na cruz, e que de alguma forma, de algum jeito, Deus fez com que morrêssemos com Ele. Agora tem uma coisa certa sobre a morte: Ela traz separação! Então, ela nos separa de nossa vida velha e pecaminosa. O velho homem, o nascido segundo o nosso antepassado Adão com suas tendências para pecar, morreu, foi embora. Este homem foi morto e enterrando em cristo!

Agora, também é verdade que fomos ressuscitados com Jesus: (Efésios 2:6) “e nos ressuscitou juntamente com ele, e com ele nos fez sentar nas regiões celestes em Cristo Jesus,” eu estou agora assentado com Cristo nas regiões celestiais. Como isto é possível? É possível porque somos seres espirituais, apesar de termos uma alma e morarmos em um corpo. Na verdade, a vida em mim bem de uma “semente incorruptível”. (1 Pedro 1:23) “tendo renascido, não de semente corruptível, mas de incorruptível, pela palavra de Deus, a qual vive e permanece.

Jesus agora vive em mim. Eu recebi o mesmo Espírito de Deus em meu espírito para que a vida de Jesus me dê vida. Jesus disse, (João 14:6) “Respondeu-lhe Jesus: Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim.

Agora, se realmente morremos para o pecado como a Bíblia diz, então o pecado não deveria mais ter controle sobre mim. Isto é verdade. Este novo homem (eu) não precisa pecar! Isto é uma boa nova. Mas você talvez diga, “mas este é o meu problema, eu peco”. Agora é hora de fazer o que Jesus nos disse. (Mat 16:24-25) “24Então disse Jesus aos seus discípulos: Se alguém quer vir após mim, negue-se a si mesmo, tome a sua cruz, e siga-me; 25pois, quem quiser salvar a sua vida perdê-la-á; mas quem perder a sua vida por amor de mim, achá-la-á.

O que Jesus está tentando dizer aqui? Simplesmente isto: devemos morrer para a velha “vida própria” que vivíamos desde que nascemos. O que é esta “vida própria”? (Rom 7:18) “Porque eu sei que em mim, isto é, na minha carne, não habita bem algum; com efeito o querer o bem está em mim, mas o efetuá-lo não está.

A carne, ou vida própria não é nada mais do que o modo que nós temos satisfeito as nossas necessidades – sem Deus – toda a nossa vida. Não depende de Deus, isto depende completamente da nossa própria força para conquistar tudo o que conquistamos na vida.

Paulo não poderia ter dito isto mais claramente: Não há bem algum na carne! E Jesus nos diz claramente que precisamos negar este velho eu ou vida na alma que não inclui Deus de uma vez por todas e colocar ela na cruz todos os dias. Todos os dias devemos decidir conscientemente que o nosso “eu” não irá nos controlar, mas ao invés disto, que iremos voluntariamente escolher permitir o Senhor Jesus viver a sua vida através de nós. Então, desde que nascemos de novo, Ele está vivendo em nós. O Seu espírito está fundido em nós. (1 Cor 6:19-20) “19Ou não sabeis que o vosso corpo é santuário do Espírito Santo, que habita em vós, o qual possuís da parte de Deus, e que não sois de vós mesmos? 20Porque fostes comprados por preço; glorificai pois a Deus no vosso corpo.

Como “glorificamos a Deus no nosso corpo”? Simplesmente entregamos a nossa vida para Ele e permitimos que Ele comece a viver Sua vida através de nós. (Rom 12:1) “Rogo-vos pois, irmãos, pela compaixão de Deus, que apresenteis os vossos corpos como um sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que é o vosso culto racional.” (Col 1:27) “a quem Deus quis fazer conhecer quais são as riquezas da glória deste mistério entre os gentios, que é Cristo em vós, a esperança da glória;

Sim, devemos começar a permitir que Jesus viva a Sua vida através de nós. Entregamos as nossas vidas a Ele, lhe damos à Ele para fazer de acordo com o que Lhe agrada. Isto é um sacrifício. É como no dia que foi dito a Abraão para sacrificar o seu filho único, Isaque. Aparentemente Isaque permitiu que seu pai lhe amarrasse e o colocasse sobre a lenha para o fogo. Não há nenhuma indicação de que Isaque tenha tentado escapar de seu pai, mesmo tendo percebido o que estava prestes a acontecer quando estava amarrado, no topo da lenha para o fogo, e com Abraão segurando uma faca no ar!

Quando Jesus começa a viver Sua vida em nós, não precisamos mais operar tentando parar de pecar, nos baseando em regras e leis. Antes, devemos entregar nossas vidas para Jesus todos os dias. Nos tornamos um Novo homem ou Nova Criatura (2 Cor 5:17) “Pelo que, se alguém está em Cristo, nova criatura é; as coisas velhas já passaram; eis que tudo se fez novo.

O Novo Homem tem um novo coração assim como Deus prometeu em Ezequiel 36:26 “Também vos darei um coração novo, e porei dentro de vós um espírito novo; e tirarei da vossa carne o coração de pedra, e vos darei um coração de carne.

Agora este novo coração juntamente com a nossa mente santificada recebe as leis de Deus (Heb 8:10) “Ora, este é o pacto que farei com a casa de Israel, depois daqueles dias, diz o Senhor; porei as minhas leis no seu entendimento, e em seu coração as escreverei; eu serei o seu Deus, e eles serão o meu povo;

Isto não algo que fazemos; Deus mesmo faz isto.

Então, através de muita tribulação e muitas falhas, aprendemos uma coisa: Não conseguimos viver a vida cristã! A história de todos é a mesma. Quando mais lutamos e tentamos, quanto mais regras colocamos sobre nós, menos sucesso teremos.
Por outro lado, a medida que nos entregamos à Jesus, Ele começa a viver a Sua vida através de nós. Surpreendente! Jesus é o único que já viveu uma vida sem pecados! Extraordinário! Sempre achamos que poderíamos fazer isto e aprendemos que não conseguimos. Mas quando permitimos à Jesus tomar controle e começamos a viver na graça de Deus, e quando nos focalizamos em Jesus e não em nós ou no pecado, as nossas vidas começarão a se ajeitar. Vitórias começarão a aparecer. Mas mesmo que falhemos, nos lembramos desta passagem maravilhosa de Romanos 8 (Rom 8:1-2) “1Portanto, agora nenhuma condenação há para os que estão em Cristo Jesus. 2Porque a lei do Espírito da vida, em Cristo Jesus, te livrou da lei do pecado e da morte.

Paramos de nos espremer, preocupar e lutar contra os pecados. Morremos para o pecado. Ele não tem poder sobre nós. Quando pensamentos pecaminosos vem até nós, sabemos que não são nossos, mas que são do diabo. Nós, na força de Jesus e crendo que Ele está operando em nós e através de nós, levamos todo o pensamento cativo. (2 Cor 10:5) “derribando raciocínios e todo baluarte que se ergue contra o conhecimento de Deus, e levando cativo todo pensamento à obediência a Cristo;

(Me permita incluir algo neste momento: Um dos modos que Satanás ganha acesso a nós é algo que Paulo se refere em Romanos 7 como o “pecado que habita em nós”. Isto é um tipo de “persona” pecado a qual Paulo não da uma explicação mais profunda, mas que através da nossa carne e do trabalho de Satanás, esta nos alimenta com pensamentos de Satanás, que são mentiras. Precisamos entender todavia que esta “persona” não é nós; não são os nossos pensamentos e a fonte é o diabo. Então podemos levar estes pensamentos cativos à obediência de Cristo assim como a Palavra nos ensina. Não precisamos ir atrás de pensamentos malignos que vêm a nos uma vez que eles não provêm de nossa “mente de Cristo”, mas do diabo! Um ensino sobre esta “persona” pecado vai além deste ensino e ele será abordado em outros ensinamentos.) 

Uau! Não precisamos mais ter dificuldade com o pecado. Nos lembramos que em Cristo nós temos perdão total e completo, porque Ele derramou Seu sangue para que todos os nossos pecados pudessem ser perdoados, até mesmo os atuais e os pecados que cometerei no futuro. Precisamos descansar Nele, sabendo que Ele irá viver a Sua vida através de nós e que o pecado não é mais a questão – a questão agora é relacionamento. E verdadeiramente nós temos este relacionamento maravilhoso com o Deus do universo, nosso Criador, através de Jesus Cristo nosso Senhor e Salvador. Isto é uma boa nova!

*****Fim da Lição*****

Compartilhe:

SOBRE O AUTOR

Douglas Hugentobler

Douglas é o diretor acadêmico da Universidade das Nações em Worcester, África do Sul. Ele faz parte da liderança da Jocum em Worcester, onde mora há 16 anos junto com sua esposa e filhas.

    Comentar pelo Blogger
    Comentar pelo Facebook